Daniel Dias é 4º nos 50m livre, última prova antes da aposentadoria


Maior medalhista paralímpico da história do Brasil, o paulista Daniel Dias disputou a sua última prova na carreira de atleta e terminou em quarto lugar nesta quarta-feira (1º) na prova de 50 metros livre da classe S5 (deficiência físico-motora) na Paralimpíada de Tóquio (Japão). Em janeiro deste ano, o nadador brasileiro anunciou que se aposentaria após Tóquio 2020. A carreira do brasileiro conta com 27 medalhas, sendo 14 ouros, sete pratas e seis bronzes.

Na prova de hoje (31), no Centro Aquático de Tóquio, o competidor brasileiro bateu a marca de 32s12. O paulista ficou atrás de três chineses: Zheng Tao (30s31) levou o ouro, Yuan Weiyi (31s11) a prata, e Wang Lichao (31s35) terminou com o bronze no peito.

Em Tóquio 2020, Daniel disputou seis provas e conquistou três medalhas de bronze: nos 200 metros livre (S5), nos 100 metros livre (S5) e no revezamento 4×50 metros livre 20 pontos (deficiência físico-motora). Em outras duas provas, nos 50 metros borboleta (S5) e nos 50 metros costas (S5), o multimedalhista ficou fora pódio terminando na sexta e quinta posição, respectivamente.

Nesta edição dos Jogos, o atleta foi afetado por uma reclassificação geral promovida pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês) em 2019. Vários atletas de outras classes passaram a S5, a mesma do multimedalhista, embora muitos tivessem deficiências menos severas que as do brasileiro. 

Daniel Dias - bronze - 100m livre - Paralimpíada - natação

Daniel Dias se despede das Paralimpíadas com 27 medalhas, três delas conquistadas na Tóquio 2020 – Reprodução Twitter/Comitê Olímpico Brasileiro

Natural de Campinas (SP), Daniel Dias tem má-formação congênita nos membros superiores e na perna direita. O atleta começou a competir em 2006 por influência do nadador paralímpico Clodoaldo Silva, após vê-lo na televisão disputando os Jogos de Atenas 2004 (Grécia).

Vida após aposentadoria

Mesmo fora das competições, Daniel quer continuar contribuindo com o esporte paralímpico. Ele se tornará o novo membro da Academia Laureus, formada por ídolos do esporte. Eles atuam na promoção de ações junto a jovens e votam na eleição dos melhores do ano no prêmio Laureus.

Daniel ainda é membro da Assembleia Geral do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e compõe a Comissão Nacional de Atletas no biênio 2020-2022. Ele quer ir mais longe, o paulista concorre a uma vaga no Conselho de Atletas do Comitê Paralímpico Internacional. A eleição acontecerá até o final de Tóquio 2020.

Além disso, o brasileiro vai manter o Instituto Daniel Dias, inaugurado em 2014. A entidade oferece treinamentos de natação paralímpica para pessoas com deficiência na cidade de Bragança Paulista, em São Paulo.





EBC

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram