Universidade festeja, no Rio, 200 anos do escritor russo Dostoiévski


O Centro de Artes da Universidade Federal Fluminense (UFF) comemora, a partir de amanhã (8), os 200 anos do escritor russo Fiódor Dostoiévski (1821-1881), autor de obras clássicas da literatura mundial, como Crime e Castigo, O Idiota, Os Demônios, e Os Irmãos Karamázov, entre outras.

Com o projeto 200 Dostoiévski, a UFF reunirá, até o próximo dia 12, artistas e pesquisadores que trabalham temáticas pertinentes à obra do autor russo, em lives e vídeos gravados no seu canal do YouTube. Dentre os convidados, os atores Matheus Nachtergaele, Bel Kutner e Celso Frateschi apresentarão performances, leituras dramatizadas e exercícios artísticos inspirados na escrita dostoievskiana.

O superintendente do Centro de Artes UFF, professor Leonardo Guelman, assina a direção curatorial do projeto. O evento conta com a participação de representantes diplomáticos russos, que abordarão aspectos históricos e culturais da terra natal do escritor. 

A conferência de abertura do evento será proferida pelo tradutor, crítico literário e professor da UFF, Paulo Bezerra, com o tema “20 anos com Dostoiévski”. Tradutor de mais de 50 obras do russo para o português, Bezerra vai falar sobre sua experiência de duas décadas como intérprete da literatura e profundo conhecedor das narrativas e personagens do escritor russo. A programação principal inclui apresentações musicais, círculos de diálogos sobre o autor e exposição virtual.

Alcance

O reitor Antonio Claudio Lucas da Nóbrega lembrou o alcance da obra de Dostoiévski. “No marco de seus duzentos anos, reveste-se de grande relevância no quadro da pesquisa e da internacionalização da universidade, ao enfocar o caráter transversal da obra do autor russo, conjugando as ciências sociais, a economia e a psicologia, dentre outras áreas, sob a lente da arte, no seu poder sempre atual de revelar as contradições da realidade e os dilemas do humano”, disse.

Quem foi Dostoiévski 

Nascido em Moscou em 11 de novembro de 1821, Fiódor Dostoiévski cursou a Escola de Engenharia Militar em 1837, em São Petersburgo, cidade em que viveu até a sua morte, em 1881. Em 1846, publicou “Gente Pobre”, sua primeira novela, “O Duplo” e “Noites Brancas” (1847). 

Após ser condenado à morte por integrar um grupo revolucionário, teve, à última hora, a pena comutada para prisão na Sibéria, onde ficou por dez anos em regime de trabalhos forçados. Foi anistiado em 1859 e retornou a São Petersburgo, onde narrou suas duras experiências em “Memórias da Casa Morta” (1862) e, depois, em “Memórias do Subsolo” (1864). Essas obras antecederam suas grandes criações, reconhecidas mundialmente.

A programação completa do evento pode ser acessada no site. As atividades do projeto 200 Dostoiévski serão transmitidas pelo canal do Centro de Artes UFF. 



EBC

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram