Museu do Pontal reabre com seis exposições


O Museu do Pontal, referência internacional em arte popular brasileira, reabre hoje (6), após o recesso de fim de ano, com seis exposições instaladas e uma agenda para os fins de semana deste mês, destinada a crianças e famílias.

A programação inclui diversas atividades gratuitas, e as inscrições podem ser feitas na recepção do museu, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, inaugurado em outubro do ano passado.

O público poderá ver as seis exposições inaugurais “Novos ares: pontal reinventado”, sendo uma de longa duração e cinco temporárias, que reúnem 700 conjuntos de obras, com cerca de 2 mil peças do acervo do museu e de importantes coleções convidadas. Por causa dos controles sanitários, a programação dos fins de semana, com jogos interativos, tem capacidade limitada, e o critério de entrada é a ordem de chegada.

Atividades

Entre as atividades programadas estão a Oficina de Pintura com Tintas Naturais, com Jhon Bermond; a Intervenção de Palhaços: Arte do Cotidiano; a Oficina de Catavento, com rotações especiais; a Oficina de Pipas; e a Contação de Histórias, com o grupo Os Tapetes Contadores de Histórias, que apresentará grandes autores como Ana Maria Machado, Carlos Drummond de Andrade, Graciliano Ramos, Manoel de Barros, Ricardo Azevedo, além de contos populares.

Quem preferir acompanhar a Visita Musicada pela Arte e Cultura Popular Brasileira, com os arte-educadores Beatriz Bessa e Pedro Cavalcante, poderá escolher horários de manhã ou à tarde. A criançada e as famílias vão poder se divertir também com o Baú de Brinquedos Populares, coordenado pela equipe do museu, com ioiôs, bilboquês, petecas, piões, fantoches, elásticos e cordas para pular, giz para riscar amarelinha e bambolês. As esculturas presentes nas exposições, especialmente na Brincares – brincadeiras e brincantes, são a inspiração para a atividade.

Alimentação

A alimentação pode ficar por conta da Cafeteria Divino Café. Com os protocolos sanitários, o atendimento é feito nas oito mesas instaladas na área externa do museu, todas protegidas por ombrelones. Haverá um cardápio especial para quem preferir fazer um piquenique na ampla Praça-Jardim do museu. O cardápio, desenvolvido pelo chef Diogo Gioia, terá três opções de café da manhã e diversos itens salgados e doces.

A diretora curadora Angela Mascelani, que está à frente do Museu do Pontal junto com o diretor executivo Lucas Van de Beuque, disse que a reabertura do espaço cultural, com as exposições e a programação pensada para crianças, dá continuidade à proposta de manter viva a cultura popular. “O que se faz no museu é plantar o futuro. O museu está o tempo todo voltado para a ideia de futuro, e as memórias e tradições pavimentam esse futuro, porque dão uma ancoragem”, afirmou em entrevista à Agência Brasil.

Museu do Pontal

Museu do Pontal – Divulgação Museu do Pontal

Para a diretora, a área aberta da sede favorece a organização de programações no local. “É um espaço muito amplo, a área aberta é enorme, tem mais de 3 mil metros quadrados, e o público fica em situação mais segura para a visita. É pedida a caderneta de vacinação. A gente toma todos os cuidados sanitários”, lembrou.

Angela disse ainda que antes da inauguração da nova sede, mesmo no período de pandemia, o museu não deixou de promover debates e cursos virtuais para manter a divulgação da arte popular brasileira. “A gente incrementou a parte do museu online, que esteve presente com grande participação de público em cursos, seminários, encontros e lives. Isso potencializou a capacidade de podermos trabalhar no Brasil inteiro, de certa forma. Os eventos presenciais têm em si a dificuldade de trazer as pessoas para o Rio de Janeiro e com um museu que tem acervo de abrangência nacional, é muito importante que pessoas de todos os outros territórios sejam ouvidas. A gente deu continuidade a isso com bastante adesão do público, que quer debater esses temas e ter um lugar não só de formação, mas de informação”, observou.

Acervo

O acervo do museu, fundado em 1976 pelo artista e colecionador francês Jacques Van de Beuque (1922-2000), é referência em arte popular brasileira e o mais significativo desse segmento no Brasil, com mais de 10 mil obras de 300 artistas. As peças foram reunidas a partir de pesquisas e de viagens que o colecionador fez pelo país.

As visitas ao Museu do Pontal podem ser feitas de quinta a domingo, das 10h às 18h. O acesso às exposições se encerra às 17h30, meia hora antes do horário de fechamento do espaço. 



EBC

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram